Memento Mori

Vanitas, de Philippe de Champaigne (c. 1671) reduz-se a três características essenciais: vida, morte e tempo.

Lembra-te de que vais morrer!

A morte não precisa ser vista sempre através de uma ótica mórbida, mas sim de um ângulo em que possamos perceber claramente que ela é inevitável e, diante disso, aceitá-la com serenidade, revendo os valores e a maneira pela qual vivemos, distinguindo o fútil do prioritário.

Mas o que é a morte? Aos que pensam pela fé, a morte nada mais é que uma passagem da alma para a vida eterna no Paraíso através do cessamento permanente das atividades biológicas necessárias à manutenção da vida de um organismo, como o estado desse organismo depois do evento. Aos desamparados pela fé, a morte simplesmente compreende o cessar da consciência exatamente quando o cérebro deixa de executar suas funcionalidades. E ainda para alguns a morte é uma ponte que leva a alma para outra vida, seja em um corpo de aranha, árvore ou qualquer outro ser... Ou seja, para esses a alma vive várias vidas em que cada uma delas se aprende uma lição diferente.

O que se sabe é que ninguém sabe ao certo o que há após a morte. Sabe-se somente é que fica a dor da perda, a saudade, a amargura, a dor do abandono, o sofrimento... Ou para outros a felicidade constante da ausência de um ser.

Voltemos nosso pensamento para o século XVI até meados do século XVIII, onde a morte mais do que nunca foi temida constantemente pela economia instável, a escravidão e principalmente a Guerra dos Trinta Anos (1618 - 1648) envolvendo vários países. E, claro, os escritores da época repassaram esse temor para a literatura. Uma expressão latina muito utilizada dentro da Literatura Barroca era o “Memento Mori”, que significa algo como “lembre-se de que você é imortal”, “lembre-se de que você vai morrer”, ou ao pé da letra, “lembre-se da morte”.

Primeiramente o Memento Mori parece algo assustador e sombrio. Mas se pensarmos bem é apenas a realidade, o fato em si de que há um fim. Devido a isso, de nada adianta o forte apego a bens materiais e nem se prender a um simples corpo de ossos revestido de carne controlado por nervos e que bombeia sangue. A beleza nunca é passageira para quem sabe apreciá-la com bons olhos. Já a vaidade apenas torna as pessoas fúteis, os vícios destroem laços construídos e nem é preciso mencionar sobre o orgulho e a mente vazia...

É tão linda e ao mesmo tempo tão efêmera a existência humana... A cada dia que passa podemos sentir que nosso corpo está diferente e isso é uma prova dessa efemeridade, a prova de que a carne é temporária, mas a alma não. Sim, é doloroso aprender com nossos erros e também é ridículo colecionar inveja do sucesso alheio, expor a nudez erótica abertamente, ter falta de respeito com o meio ambiente, se apegar a pensamentos toscos e fracos.

O ser humano é tão passageiro na Terra, sabemos disso e não há tempo para ensaios. É mirar e acertar, fazer acontecer, tentar e conseguir, buscar e achar, almejar e lutar pelo que realmente queremos sem prejudicar o próximo. É essa individualidade de pensar e respeitar, principalmente, que faz com a “coisa funcione” em grupo, socialmente.

Desde que nascemos aprendemos a lidar com a dor de não ter tudo que queremos. Mas nem sempre nos ensinam que o que queremos pode não ser o que realmente precisamos no momento, por isso ás vezes nos focamos nos objetivos errados e acabamos por deixar de lado o que realmente interessa. Portanto, se faz necessário termos o “Memento Mori” em determinados momentos da vida: para lembrar-nos da nossa curta existência e de que vale a pena sermos peregrinos ao buscar o sentido da nossa presença passageira nesse vasto mundo.

Enfim, só queria deixar a seguinte mensagem através desse texto: aproveite a vida enquanto ainda há tempo! Como diz certa música: “faça um funeral pelos amores perdidos, enterre o ontem a sete palmos com todas as coisas nunca ditas antes”. Não sei em que situação você se encontra, mas o importante é sempre lutar para que o amanhã seja melhor que o ontem ;)

O que você tem feito para fazer valer a sua presença no mundo? Já praticou alguma boa ação hoje?

12 comentários

  1. Adorei de mais esse texto. Não tenho medo da morte e realmente não acredito que haja algo depois dela, por isso acho que devíamos aproveitar mais e nos preocuparmos menos com coisas inúteis. Adorei isso de "lembre-se de que você vai morrer" kkk

    lovelyblogcarol.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Coisas inúteis não acrescentam nada em nossa vida, muito pelo contrário! O memento mori é um pouco hilário olhando de certo ponto, mas com tudo é um fato verdadeiro rs
      Obrigada Carol!
      Abraços.

      Excluir
  2. Eu amei o texto a morte tem q ser vista assim mesmo
    pra ter medo de morrer isso sempre acontece

    adorei teu blog de verdade parabéns por ele
    seguindo já se puder me fazer uma visita vou amar te ver por lá

    http://www.fragmentos-intensos.com/

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Kimi, a morte tem que ser vista dessa forma certas vezes!
      Com certeza te farei uma visita ;)
      Obrigada e abraços!

      Excluir
  3. Aproveitar a vida dentro dos limites, muita gente confunde o termo "aproveitar a vida" e faz com que a sua vida acabe da maneira mais trágica possível. Não sabemos o dia de amanhã, mas devemos fazer o possível para sermos felizes em vida, atitudes positivas e não negativas. Belo texto.
    Beijos.

    http://esfriouocafe.blogspot.com.br/
    https://www.facebook.com/blogesfriouocafe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente há quem confunda mesmo e acaba por dar fim a uma fonte maravilhosa de felicidades (a vida)...
      Atitudes positivas são essenciais!
      Obrigada Mayara :)
      Abraços.

      Excluir
  4. Quando me perguntam se tenho medo da morte eu realmente não sei bem o que responder. Faço de tudo para a vida valer a pena e acredito que nosso propósito seja esse. Quem sabe... Ótimo texto.

    Beijos.
    http://algumasprimaveras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O importante é que você faça valer, só isso! Quanto ao medo, é algo que infelizmente é inevitável não sentir em determinados momentos da vida.
      Obrigada Larissa*-*
      Abraços.

      Excluir
  5. Ola flor,tudo bem? espero que sim,
    tava passeando pela net achei seu blog
    adorei a qualidade dos poste muito legais
    vem conhecer o meu também se gostar siga
    deixa recado avisando que me seguiu
    que volto aqui pra seguir seu blog
    fica com deus Beijos, Cida
    Blog: Unhas Beautiful

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Cida!
      Tudo bem sim, obrigada.
      Visitarei o seu cantinho com certeza!
      Mais uma vez, obrigada :)

      Excluir
  6. Só vou ter medo de morrer quando ficar velha AUSHDIAHDIUASHDIAU pra mim que não tenho teologia, é morrer pronto-acabou-você-deixou-de-existir. Então prefiro pensar 'é inevitável, mas não tenho que pensar nisso!' KKKKKKK
    Beijos ♥

    Conspirantes

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ótima forma de pensar Mush rs, considerando que você não tem teologia, claro. Realmente é melhor viver a vida e depois pensar na morte (um passo de cada vez), mas no fim acabamos por pensar nela kk
      Abraços!

      Excluir