Sobre o que eu queria ter dito


Era uma noite quente embora fosse inverno. Mas o frio estava nas palavras e no estômago.
Lua crescente e com ela o desejo aumentava também.
Tão complexo sua forma de agir e falar que por vezes parece insensível e grosseiro...

Você é sonho. Eu, ilusão e utopia.
Ambos vivem num mundo próprio criado numa espécie de refúgio, longe das guerras, da miséria, da injustiça e do ódio. Mundos distintos, mas paralelos. Num ritmo medíocre, acostumados e conformados com o que tínhamos e poderíamos conquistar. Sem grandes ambições. Até que por artimanha do destino nossos planetas foram alinhados na mesma órbita. Um choque e tanto de diferença. Vivo no futuro, você no presente. Planejo minuciosamente meus passos, você se deixa levar. Não pelo que acredita. Pelos outros. Tem medo da forma que podem te julgar. Meu único medo é de não ser livre. Livre para fazer minhas escolhas.

E livre estou e sou. Que assim seja!
Livremente me entreguei a você e acreditei nas loucuras que dissestes. Loucamente te seguirei e não me importo com o que vão dizer, desde que quando eu olhar para o lado te avistarei ali, comigo.

Não sai da minha vista. Não fica longe por muito tempo. Tempo é algo que não sei respeitar. Quero tudo pra agora e nesse instante. Se sai do meu radar, sai da minha vida. Não me pergunte por que disso.

Simplesmente é assim.

O peixe é feito para a água e as águas desvendar.
Por hora chega a parecer que te quero ter, possuir e dominar. Te prender no meu aquário. Não! Jamais! Meus sinceros pedidos de perdão por isso. Queria que você ficasse por perto. Conversasse sobre tudo e nada. Conhecer-te e me aproximar. Antes de tudo, ter a sua amizade. E nessa minha mania de querer as coisas na hora, atropelo tudo pela frente. Então forço a barra. Cada vez mais.

Mais e mais.

Naquele dia, um tanto atípico, minha cabeça estava um inferno. A vida não vai muito bem, meu caro. E não sei lidar com meus problemas. Tem sido uma fase de grandes frustrações e quando parece que está acabando finalmente, está apenas por começar o pior. É complicado seguir uma jornada sozinha, sabe? Falo daqueles momentos que não há como alguém te ajudar. Se não for você, não será mais ninguém.

Eu acho que é você. Ago me diz que sim...
Em você encontrei uma medida paliativa pra tudo isso. Uma espécie de válvula de escape. Aquele que me oferecera abrigo numa tempestade.

Você é relâmpago, eu raio. Você é mar. Eu, maremoto. Do mesmo ponto de partida irei sempre além. Extrapolando todas as expectativas. Juro que não é por mal. Foi mal mesmo. Sou assim sem querer ser. Essa é minha essência e aquela é a sua. Respeitemos nossas diferenças e a brindemos também. Contemplemos o elo que nos separa e nos une.

Então chegamos ao ponto. No ponto de ônibus e o da conversa.
Da conversa que surgiu porque já se fazia preciso certos esclarecimentos. Eu precisava daquilo, mas não queria. Porque a resposta podia não ser o que eu esperava de fato. De fato não era.

A cabeça ardendo por segurar tantas lágrimas. Não queria me mostrar fraca. Chorar não quer dizer fraqueza, eu sei. Mas não queria demonstrar que aquelas palavras me atingiram. Fui fraca. Demonstrei de outras formas.

Sem querer.

Me recolhi e fugi para o meu mundo. Não deu certo. Minha mente estava lá e meu corpo contigo. Tentei voltar, nem deu. Talvez amanhã. Amanhã será um outro dia. Um bom dia. Amanhã é futuro. Você queria resolver no agora. Agora eu não queria mais.

O amanhã levara o agora.

Nada foi dito ou esclarecido. Teve apenas um punhado de mal entendidos e meias verdades ditas.

Eu queria mesmo era ter dito que você é um covarde. De todas as diferenças que pairam entre a gente, essa é a maior.

Não tens força para dizer o que sente. Tão pouco assumir isso.
Diz que vive de momentos. Os momentos é que te vivem. E decidem por você. E te faz pensar que é livre. Não é. Se fosse livre fugiria daquilo que te prende. O medo te prende. A insegurança. Tem medo de mim. Medo de se entregar a isso. Porque tem medo de ser livre. Livre para escolher, livre pra sentir o que está sentindo, livre pra escolher um caminho...

Queria ter dito que não precisava disso tudo.
Eu estava disposta a tudo por você, por nós.
Não disse.
Disse no amanhã.
Você, presente.

O presente já era passado.

Nenhum comentário

Postar um comentário