Sempre bom poder contar contigo, amiga!


Sei que às vezes é um saco me aturar. Por mais simpática que pareço ser, sabemos bem a ogrinha na qual realmente sou com piques de humor exacerbantes (apesar de que a senhorita também não é uma das pessoas mais fáceis de lidar). Mas bem sei também que eu não tinha o direito de jogar para cima de ti minhas frustrações grosseiramente do modo que fiz. Logo tu, que me apoiou naqueles momentos inconstantes em que me encontrava. Não medimos palavras para serem ditas e nos machucamos muito.

Não sei o que dizer quando você finalmente deixou seu estimável orgulho de lado para resgatar nossa amizade. Eu precisava daquilo. Não para jogar na tua cara o clássico “viu? Eu tinha razão”, mas para sentir que realmente tenho valor para ti como tens para mim. Entenda que sou assim mesmo, típica discípula de quem inventou o modo de vida “soma ou some”. Posso chorar com a partida, mas acredito que é o melhor se não mais nos acrescentamos algo. Estou revendo esse ponto e estudando uma maneira de ser menos radical com quem não merece isso.

Os dias passaram mais solitários sem tua cumplicidade. E não é que tem um pouco de verdade quando dizem que é na ausência que aprendemos a valorizar a presença daqueles que nos querem bem? Cometi algumas besteiras que certamente repensaria sobre se antes tivesse compartilhado contigo (ainda que eu não dê a devida importância a teus conselhos. Não que sejam ruins, mas sabe como é, ou melhor, como sou: tenho que quebrar a cara mesmo para aprender.).

Deus me livre daquela sensação de estar sozinha e de que não havia ninguém que pudesse me escutar (sejam os choros, as reclamações, os babados, sonhos ou mesmo aqueles áudios desafinados) e me decifrar assim de letra como fazes. Deus me livre do pesadelo que é não ter uma parceria que apoie minhas loucuras, que dirá então não ter alguém para vivê-las comigo...

Males que vem para o bem, tudo isso serviu para aprendermos muito e certamente foi um ingrediente a mais para consolidar nossa amizade. Amiga, pode apostar que você é de ouro e, sabendo disso, não posso te deixar partir assim sem mais nem menos. Por isso, abro meu coração e te peço perdão humildemente por ter te ferido ou sequer ter pensado em te deixar de escanteio assim por tão pouco. Obrigada por tudo e saiba que me faz um bem danado poder contar contigo sempre e, para o que der e vier, estarei aqui por ti também!

Nenhum comentário

Postar um comentário